Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

Ética e educação inclusiva

Antes de começar a construir os argumentos, para esse texto,  gostaria de fazer um relato pessoal, apesar de não gostar de me citar como exemplo de nada fato é que eu tenho 44 anos e, talvez eu , e meus amigos , somos a primeira geração de jovens com deficiência a ser inserido no ensino regular. Aos 17 anos, em 1993 , eu com todas as minhas limitações físicas, motoras e de comunicação , fui estudar numa classe de 40 alunos na escola municipal presidente Médice na marra, sem estrutura, sem mediadora , isso nem em sonho se cogitava, em fim . Isso posto , devo concluir que todo meu histórico me permite falar, com autoridade mínima , sobre a importância da inclusão  educacional no plano de uma conquista de um espaço único da cidadania das pessoas com deficiência. Um lugar impar a qualquer, ‘a educação inclusiva é o principio, moral e ético, de qualquer individuo ou grupo que defenda a cidadania das pessoas com deficiência’. Porque eu fiz o destaque? Porque percebo que atualmente muitos p…

Os donos da inclusão

Um fenômeno anômalo que acontece com o movimento das pessoas com deficiência é o fato desse movimento delegar a sua retorica, de forma majoritária, a pessoas sem deficiência. Algo no mínimo contraditório não acham? Vejamos, os grupos de afirmação dos direitos de grupos minoritários surgem no pós II Guerra, e ganham maior expressão nos anos 70, nos E.U.A, e 80 no Brasil, para legitima a fala desses segmentos. De forma que, a grosso modo quem fala pelo movimento negro é um negro. Obviamente há brancos que defendem as questões do negro e até assume papel de destaque nesse movimento. Toda via, os negro, como também, o movimento feministas, GLBT.. enfim , de um modo geral o que confere legitimidade a esses movimentos é a capacidade de trazer a público as demandas sociais, existenciais , através das falas dos indivíduos pertencentes a tais movimentos. No caso das pessoas com deficiência a fala que prevalece dificilmente é das pessoas que tem deficiência. Há uma delegação tasca dessa retor…

Prefeitura promove programa de ressocialização de jovens

Um dos maiores desafios da sociedade brasileira é o crescimento de atos infracionais por crianças e adolescentes, em geral oriundos das classes mais carentes e muitas das vezes influenciados pelo tráfico de drogas. Na base desse grave problema social, estão vários fatores como a ausência de estrutura familiar, a evasão escolar e a falta de perspectiva. A Prefeitura do Rio trabalha para acolher e ressocializar jovens que estejam cumprindo medidas socioeducativas. Atualmente, 987 adolescentes participam do Programa de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto.  O programa da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), em parceria com o Poder Judiciário, promove acompanhamento social de adolescentes, de 12 a 18 anos, com o objetivo resgatar os laços familiares e contribuir para o acesso a direitos desses jovens, bem como para a reintegração social. Em funcionamento em 14 Centros de Referência de Assistência Social (CREAS), o projeto conta com equipes interdiscip…

Oficina de Teatro Inclusivo tem inicio em Realengo

Olá amigos da objetivo
É com grande alegria que anunciamos que a partir de agosto nossa Oficina teatral inclusiva Arte Viva chega a Realengo ‘alô alô Realengo’. A Associação Objetivo, em parceria com o ‘Projeto Caminhos do coração ‘ estaremos promovendo inclusão sociocultural de jovens com e sem necessidades especiais de toda região de Realengo. As atividades aconteceram as quintas-feiras , em uma ação voluntaria , na Rua Tecobé – nº 347 .#soumaisobjetivo Inicio das aulas :  quinta-feira, 10 de agosto Inscrições Ficha de alunos com deficiência https://goo.gl/forms/lljjfYtiJ2FTeOqK2 Ficha de alunos sem deficiência https://goo.gl/forms/kz9PGeRcHCqDwnuI3

Inclusão : precisamos ouvir também?

É fato que a inclusão das pessoas com deficiência já rendeu vários congressos, simpósios. Encontros e tudo o que você imaginar nessa seara de eventos. Já teve novela da globo sobre o assunto. Em fim, a inclusão é tipo a ‘voz do Brasil’- aquele programa de radio que vai ao ar as 19 horas, todos nós já ouvimos. Mas , pergunta se a gente prestou atenção... não estou invalidando os esforços das pessoas que se envolvem com a temática inclusiva , ate porque também milito nessa área. Contudo, as vezes me pergunto se não é hora de falar desse processo que afirma a cidadania de quase  14 por cento da população que em sua maioria vivem à margem dos sistemas de saúde , educação etc . acho que já deu para sacar que do jeito que a inclusão vem sendo tematizada ela não sai do lugar. A primeira reação é colocar a culpa da insensibilidade da sociedade como. Toda via, não creio que esse seja o melhor caminho. Prefiro crer que devemos trazer a sociedade para dentro da inclusão. Mas, não como espectado…

É preciso que o combate a corrupção faça parte da agenda de crescimento

Muito se fala que a operação Lava jato e o combate a corrupção que ela promove, de certa maneira, atrasa a progressão de uma agenda de desenvolvimento do país. Toda via, é preciso destaca que boa parte do atraso social                 e econômico que a sociedade brasileira vive hoje traz em sua raiz , justamente o não combate ao desmando causado pela corrupção, de  forma, eu creio que não há como dissociar a retidão da coisa publica com o crescimento econômico saudável , não me refiro à especulação que alimenta , em grande parte da corrupção , mas do capital que promove o desenvolvimento . Eu creio que é preciso  dizer, em alto e bom som, que a população brasileira não aguenta, não compactua, não aceita, a corrupção. É preciso dizer isso, mostrar que o custo do atraso de todas instituições que tem influenciam na nossas vidas é caro , e esse atraso se deve , em grande parte à corrupção que desde sempre assola o nosso País. Eu trago, só para  aludir um exemplo. Na década de 90 o grand…

É preciso politizar a inclusão

Já passou da hora: A questão da inclusão social das pessoas com deficiência precisa sair do gueto das pessoas ‘boazinhas’ para se tornar uma questão política, que represente as, na forma de políticas públicas comprometidas com as aspirações de 24 mil brasileiros e suas famílias. É preciso sim, que a pessoa com deficiência ocupe seu lugar e, sobretudo, tenha sua voz respeitada no cenário representativo do País. Isto significa dizer que a conquista da inclusão de um segmento expressivo da sociedade não se dará de mão beijada, na base do acomodamento no cenário inclusivo no contexto social marcado por um modelo excludente. A questão politica da inclusão tem que ocupar as esferas de poder desse país se não continuaremos remando no seco, como vem acontecendo com a temática inclusiva há décadas. A distância entre o que se fala, nos discursos inclusivos, e a realidade das maioria das pessoas com deficiência é grande, a grande parte das falas sobre a inclusão das pessoas desconsideram totalm…

O que queremos? Sermos cidadãos ou apenas ser inseridos?

Parece a mesma coisa, mas não é: Durantes as últimas décadas muito se falou na chamada ‘Inclusão das pessoas com deficiências’. Como se o simples fato de se insertar esse segmento, sem buscar compreender a cultura paternalista, de negação da autonomia da pessoa com deficiência e a tendência de se interpor um personagem ‘validador’ da ação social desse individuo no contexto de seus relacionamentos sociais, fosse o bastante para solucionar as demandas sociais desse segmento que historicamente está numa situação periférica em relação a sua própria cidadania.   A opção pelo caminho mais fácil, ou seja, por uma conciliação entre a ideia de que interativa entre a pessoa com deficiência e a sociedade deva se dá pela filantropia, pela piedade... afinal, esta, carece de auxílio para existir, nessa sociedade, e o que se convencionou chamar de movimento de defesa dos direitos das pessoas com deficiência gerou um cenário representativo esquizofrênico , em que aquilo que deveria ser alvo de quest…

Inclusão: qual queremos? A dos direitos e deveres ou as das gratuidades?

É importante considerar o preconceito que a sociedade em relação as pessoas com deficiência como um fenômeno sociológico. Uma questão que tem suas raízes no modo que percebemos o outro. Ou seja, um assunto que deve ser tratado de forma mais ampla do que as nossas palestra tematiza esse assunto. A estrutura sociológica brasileira é sedimentada no paternalismo comum as sociedades católicas. Como bem retrata Sergio Buarque de Holanda, na obra ‘homem Cordial’. As relação de direito se dá numa região das relações de conhecimento, como se fulano , por ser amigo de um agente publico , tivesse a primazia do direito em detrimento dos demais cidadãos . No debate da relação da pessoa com deficiência com a sociedade, que na minha opinião não saiu das era da idade da pedra, pois , ainda não aprendemos a olhar para esse individuo fora dos arquétipos da visão ‘filantrópica’, que em si já impõe um cenário de tutela desse individuo não deficiente sobre esse sujeito menos capaz, a tentação de se trata…

Minha deficiência

Trago em mim: atrofias atroz, desajustes medonhos, demências profundas, eu , por tanto, sou o mais incompleto ser que eu conheço .. eu tenho cólicas de raivas e desarranjo de amor  , ou seja um bipolar perfeito . As incapacidades que tenho são tão profunda que faço desses , os alimento minha arte , a poesia que escrevo, a vida que tento viver. Se algo em mim e real , são as minhas deficiências. As minhas linhas tortas , os egoísmos do ‘eu em mim’, que se apropria de algum verso ou de algum texto, que pretensamente, arrogo como meu , como se eu fora ‘dono’ de palavras, orações , frases que apenas uso para colocar aquilo que penso que sou na esquizofrenia humana que tenho em meu ser. Minha deformidade são incuráveis , pois já se desformaram em meu querer um jeito de ser. Tudo o que sei de mim, são exatamente as minhas deficiências , as opiniões intransigentes que, elegantemente chamo de personalidade . Quem? Quem sou eu? Quem é qualquer individuo para ter qualquer opinião ou qualquer ‘…

Associações se unem para promove evento de inclusão de pessoas com deficiência em Realengo

A arte nos caminhos do coração: nesse sábado, 20, a Associação Objetivo participou do aniversário do quinto ano do projeto ‘Caminhos do coração’ que promove a socialização de jovens com necessidades especiais , na comunidade do Barata , em Realengo . A iniciativa encabeçada pela professora Lilian Rose, realiza atividades recreativa , esportiva e de artesanato a cerca de 50 pessoas de todas as idades.  A participação da objetivo contou com a apresentação do ator Wilian de Paula , com o texto: ‘Seu filho diferente’, o projeto palhaçaria, e o numero musical ‘Rap do deficiente’ , que faz parte da peça ‘O menino que falava com os pês’ , o numero foi interpretado por Rafael Jose, aluno da oficina teatral  inclusiva arte viva , realizada pela Associação objetivo . O evento também marcou a estreia de Hugo Cyrilo Agostinho, que se apresentou com uma improvisação criada pelo o próprio Hugo, durante aula da oficina , o jovem que tem necessidades especiais mostrou que é possível superar limitaç…

Nadadora paraolímpica estabelece novo record do Brasil nos 200m livre S3. No torneiro regional

Maiara Barreto (IMG/SP), classe S3, estabeleceu a melhor marca do país nos 200m livre, com 4min29s68 durante a etapa do torneio regional do circuito da Loteria Caixa, nesse fim de semana . A nadadora é integrante da Seleção Brasileira de natação paraolímpica  e tentará, em junho e agosto, durante provas  nacionais do Circuito, obter índice para o Mundial da modalidade, em outubro, na Cidade do México. A prova dos 200m livre não é a especialidade de Maiara, que prefere os 50m costas. Mas o novo recorde brasileiro animou a paulista para os próximos desafios. "Cheguei aqui e estava querendo melhorar mesmo a marca nesta prova. Fiquei bem feliz com o resultado e isso será bom pra mim nas etapas nacionais", contou. A nadadora ainda não tem índice para participar do mundial. Mas, está confiante que irá conseguir a marca suficiente para ir ao México, no fim do ano. A jovem que, sofreu um acidente de moto em 2009,  é atleta  paraolímpica  compete há quatro anos
"Acho mais fácil co…

Exclusão x subdesenvolvimento

Um bom modo de se analisar o nível de desenvolvimento de uma nação é como essa, comporta o direito, dos chamados, segmentos minoritários. Ou seja, aqueles que não se adequam ao padrão estabelecido pelo modelo social de produção vigente. Em outras palavras, daqueles grupos de pessoas que precisam ser protegidos , seja por ser idosos, ter uma condição especial , ou algo do tipo . Embora o mundo esteja vivendo um momento de desintegração dos valores da cidadania de vários segmentos excluído pela prevalência de um radicalismo conservador um bom exemplo disso é como estar sendo tratada a reforma da previdência no Brasil e no mundo , claramente uma supressão do valor de direito do individuo em detrimento do capital. É irônico que o país onde o capital , os bancos , tem os maiores lucros, tenha o despudor de ‘cortar’ rendimentos da manutenção da vida de milhares de idosos e pessoas com doenças crônicas. Toda via, esse não o tema desse texto- no caso das pessoas com necessidade especiais ess…

Hospital Barata Ribeiro é referência no atendimento odontológico de pessoas com deficiência

Pessoas com necessidades especiais contam com um dos mais bem sucedidos programas de saúde bocal destinado a pessoas com deficiência de todo o país. O Hospital Municipal Barata Ribeiro, na Mangueira, é referência neste segmento no Rio. O setor de odontologia atende diariamente cerca de 20 pacientes com neuropatias crônicas, como a paralisia cerebral e síndrome de Down. A unidade da Secretaria Municipal de Saúde oferece esse serviço desde 1985. A odontologia para pacientes com deficiência já é uma especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia. Afinal, a saúde bucal é um direito de todos. Segundo a chefe do setor, doutora Rowena Pessoa Ramos das Neves, essas pessoas dificilmente encontram em outra unidade hospitalar, seja pública ou privada, esse tipo de atendimento, o que faz do setor de odontologia do Barata Ribeiro uma referência neste segmento. A equipe prioriza a prevenção, tendo como foco o atendimento continuo, além de especifico, levando em conta as limitações …

Inclusão? Pra quem cara pálida?

Enquanto as rodas das associações , dos institutos , das secretarias dos direitos humanos, elaboram seus belos simpósios sobre a inclusão das ‘pessoinhas’ com necessidades especiais, a juripoca pia na vida real . Vejamos dois casos que me chegaram nas últimas semanas. Os irmão Uriel e Yuri Martins, de 12 e 14 anos, tem distrofia muscular progressiva, até  ai nada podemos fazer, porém, a grande reivindicação que a mãe deles faz é que ela já perambulou o município do Rio de janeiro atrás de tratamento de reabilitação para os filhos sem encontrar. Detalhe, todos nós sabemos que a distrofia , é como o próprio nome diz , progressiva , logo , nós estamos lentamente tirando o direito à vida, desses e muitos outros jovens.  Desde o fim da LBA, no governo Collor , o Estado brasileiro não tem um programa real de reabilitação para pessoas com necessidades especiais , carente , ‘minha fisio minha vida’. Mente quem diz que, o já falido,  Sistema Único de Saúde (SUS CREDO) tem , ou terá capacidade…

A síndrome de Down na vitrine

No próximo sábado, 25, é o dia internacional da síndrome de Down. Em razão disso varias entidades ligadas às ruas promover a chamada ‘Caminhada pelo dia internacional da Síndrome de Down’ , em vários pontos da cidade. Primeiramente gostaria de parabenizar as pessoas que tiveram essa ideia. A questão da cidadania das ‘PESSOAS COM DEFICIENCIAS’ tem que sim ir para as ruas. Eu venho defendendo o posicionamento de que a temática da inclusão das pessoas com necessidades especiais deve permear toda sociedade e não apenas a um grupo , que de forma imediata é afetado pelo preconceito e pela a exclusão, que esse segmento da sociedade ainda sofre. A ressalva que faço é muito mais fruto de um ‘achismo’ de um pc chato , do que de uma analise definitiva: eu não sei ate que ponto a segmentação de um segmento da sociedade que já traz o estigma da exclusão pode ser producente para a questão , que me parece muito mais ampla que é o reconhecimento da cidadania de todas as  pessoas  que apresentam todo…

O papel da mídia na inclusão

O espaço mediastino no atual cenário sociológico e midiático se tornou o grande palanque no qual os grupos minoritários buscam visibilidade, bem como, sua legitimação no plano sócio e político. Por sua vez , a mídia representa estes grupos segundo os conceitos tradicionais ,cristalizando estereótipos enraizados no subconsciente coletivo. No âmbito da pessoa com deficiência a grande mídia mostra-se dicotomia reafirma essa constatação, nesse texto vamos começar a compreender como e por que esse processo ocorre . Considerando o fato de que os meios de comunicações tendem a ratificar o pensamento predominante no seu discurso , somos obrigados a estender nossa analise questão da Deficiência em seu aspecto social. como essa sociedade vê e representa o conceito de deficiência ? Como esse conceito é tratado Cultural e socialmente ? A raiz da compreensão das causas do preconceito, seja no enfoque mediastino seja em qualquer outra estância estar o conhecimento profundo de que significações o c…

A ética da inclusão

Algo que tem me assustado, nos últimos tempos, é como a inclusão , que para mim é uma da mais significativa conquistas ética da sociedade brasileira, vem sendo relativizada por parte do movimento das pessoas com deficiência, como se pudesse contra ou a favor ao inexorável direito desse individuo está presente nas escolas, ambiente de trabalho etc. juro, que na minha ingenuidade, eu não imaginava que a canalhice dos caciques dos movimento das ‘pessoinhas’ especiais , alimentada pela covardia de algumas família que não se permite perder o monopólio da existência de seus entes com necessidades especiais, nos fizesse regredir à idade media em pleno 2017. É importante lembra que quando defende-se,  por exemplo, que crianças com e sem necessidades especiais estudem na mesma escola  se está  defendendo  construção de uma sociedade em que, o fato de se apresentar uma condição de desfite motor, cognitivo , ou de qualquer outra ordem não signifique uma redução da humanidade dessa pessoa. Além d…

Um papo com um mestre

Ricardo Pittar é Biólogo, com pós-graduação em politica, Engajado nas grandes questões  políticas nas décadas de 90, teve uma participação intensa no maior movimento da sociedade civil contra a miséria, o fome zero, encabeçado pelo sociólogo heberte de Souza. A campanha contra a fome trouxe à tona a ferida aberta da miséria que envergonha qualquer brasileiro de bom censo, muito embora esse tipo de brasileiro está cada vez mais difícil. No campo da atividade politica participou dos restaurantes populares, um dos poucos programas de Estado Conheci o professor Ricardo Pittar em meados da década de 90 quando eu fui integrado ao ensino regular e me transferi para a escola municipal Presidente Medice, como a vida é uma piada de bom gosto, a unidade escolar que trazia o nome no maior ditador brasileiro se respirava democracia e liberdade, uma escola inspiradora e sempre viva. mais de 20 anos se passaram. E eu volto a ter o prazer de reencontrar com um professor inspirador que forja o carát…