Pular para o conteúdo principal

O que queremos? Sermos cidadãos ou apenas ser inseridos?

Parece a mesma coisa, mas não é: Durantes as últimas décadas muito se falou na chamada ‘Inclusão das pessoas com deficiências’. Como se o simples fato de se insertar esse segmento, sem buscar compreender a cultura paternalista, de negação da autonomia da pessoa com deficiência e a tendência de se interpor um personagem ‘validador’ da ação social desse individuo no contexto de seus relacionamentos sociais, fosse o bastante para solucionar as demandas sociais desse segmento que historicamente está numa situação periférica em relação a sua própria cidadania.  
A opção pelo caminho mais fácil, ou seja, por uma conciliação entre a ideia de que interativa entre a pessoa com deficiência e a sociedade deva se dá pela filantropia, pela piedade... afinal, esta, carece de auxílio para existir, nessa sociedade, e o que se convencionou chamar de movimento de defesa dos direitos das pessoas com deficiência gerou um cenário representativo esquizofrênico , em que aquilo que deveria ser alvo de questionamento está na base da filosofia desse movimento. Na verdade, a inclusão caminha sobre os trilhos que a exclusão concebeu.
A consequência desse contexto é um discurso que não se concretiza em nova estrutura sociológica que mude a visão sobre o indivíduo com necessidades especiais, colocando como elemento central, a promoção da sua cidadania . No lugar disso, o máximo que a chamada ‘inclusão’ propõe é que essa pessoa  seja ‘inserida’- posta para dentro das escolas , no mercado  de trabalho etc. sem se preocupar em considerar essa pessoa nas suas diferencias

Resumindo este texto chato , ou a gente começa a encarar o processo da cidadania dos cidadãos com deficiência como uma reestruturação cultural e ética , que recrie a ótica através de que esses indivíduos são vistos pela sociedade, ou a gente não vai sair dessa roda de hamster em que se tornou o discurso inclusivo.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Central carioca de Libras ajuda pessoas surdas vencer a barreira da comunicação

Imagine viver em um país ou ambiente onde ninguém , ou pouquíssimas pessoas compreender a sua língua . Pois essa é a realidade de seis milhões de brasileiros que são surdos e tem na Lingua Brasileira de Sinais, a Libras, o único modo de comunicação e de interação com o mundo. No entanto, a Libras ainda é totalmente desconhecida por grande parte da população brasileira. A falta de conhecimento da Libras faz com que esses brasileiros enfrentem cotidianamente diversas situações de preconceito e exclusão.  é um programa da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência que visa auxiliar a comunicação das pessoas surdas em diversas situações . a central atua mediando a comunicação dessa pessoa surda seja quando ela precisa ser atendida num serviço publico , ser ouvida num processo judicial, numa consulta medica e em muitas outras situações em que essas pessoas necessite de ajuda de um interprete O programa vem funcionando desde 2010  e mensalmente atende a cerca de 300 usuários com as mai…

Professor usa informática para promover inclusão de alunos com deficiência visual

Mais do que um professor de informática, Marcio Maciel é prova de que as limitações estão aí para serem superadas. Desde a infância com baixa visão, ele é o responsável pela Oficina de Informática para estudantes da rede municipal de ensino que apresentam algum tipo de deficiência visual. Promovida pelo Instituto Helena Antipoff (IHA), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Educação, a oficina tem a tarefa de fazer com que as ferramentas tecnológicas desenvolvidas para pessoas com deficiência visual sejam utilizadas para favorecer o processo de aprendizagem e de inclusão. O trabalho de Marcio, que há seis anos está à frente da oficina, divide-se entre as aulas que ministra para os alunos no Instituto e a capacitação de professores que trabalham nas salas de recursos. -  Com o tempo, a gente percebeu que muitos alunos não poderiam vir ao Instituto, como os que estudam em Campo Grande e Santa Cruz. Então começamos a ir até esses alunos através da capacitação do professor, levando o c…

Brasil começa paraolimpíadas em grande estilo

A penas nessa sexta-feira (8) , primeiro dia dos jogos paraolímpicos Rio 2016, a delegação brasileira subiu quatro vezes no pódio . A primeira medalha veio com Odair Santos, que garantiu a prata ao completar os 5000m T11 em 15min17s55, atrás do queniano Samwel Mushai Kimani, que fez 15min16s11. Pouco depois, Ricardo Costa ultrapassou o recordista mundial Lex Gillette (EUA) em seu último salto, alcançando 6m52 e conquistando o ouro numa prova emocionante, que agitou torcida presente do Estádio Olímpico do Engenhão.

Daniel Dias começou a aumentar sua coleção de medalhas no Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos. Até então, o nadador era dono de 15, sendo 10 de ouro, quatro de prata e uma de bronze, de edições anteriores de Jogos Paraolímpicos. A 11ª medalha dourada – e 16ª no total – veio nos 200m livre S5, numa prova que foi dominada por Daniel do início ao fim. O astro brasileiro das piscinas ainda vai disputar outras oito provas na competição, podendo chegar a impressionantes 24 pód…