Pular para o conteúdo principal

Prefeitura promove programa de ressocialização de jovens

Um dos maiores desafios da sociedade brasileira é o crescimento de atos infracionais por crianças e adolescentes, em geral oriundos das classes mais carentes e muitas das vezes influenciados pelo tráfico de drogas. Na base desse grave problema social, estão vários fatores como a ausência de estrutura familiar, a evasão escolar e a falta de perspectiva. A Prefeitura do Rio trabalha para acolher e ressocializar jovens que estejam cumprindo medidas socioeducativas. Atualmente, 987 adolescentes participam do Programa de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto.
 O programa da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH), em parceria com o Poder Judiciário, promove acompanhamento social de adolescentes, de 12 a 18 anos, com o objetivo resgatar os laços familiares e contribuir para o acesso a direitos desses jovens, bem como para a reintegração social. Em funcionamento em 14 Centros de Referência de Assistência Social (CREAS), o projeto conta com equipes interdisciplinares formadas por assistente social, psicólogo, pedagogo e advogado. Atualmente 165 profissionais estão diretamente envolvidos no programa.
 De acordo com o assistente social Leandro Teixeira da Assis, que trabalha no Centro de Referência de Assistência Social Maria Lina de Castro Lima, em Laranjeira, o primeiro passo é o de conquistar a confiança do adolescente no trabalho de ressocialização proposto pela equipe. Para Leandro, é imprescindível que se conheça o histórico familiar e social desse jovem para que os profissionais do programa possam, de fato, auxiliá-lo em sua reinserção social.
 - É vital para o nosso trabalho que a gente ganhe a confiança desse adolescente. Para isso, é importante saber a sua história familiar, comunitário e social. São elementos que precisam ser compreendidos e considerados. É justamente entendendo essa história que vamos traçando nossa linha de trabalho - disse o assistente social.
 O Programa de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto beneficia os jovens que vêm encaminhados pela Vara da Infância e Juventude para cumprimento da medida de Liberdade Assistida (LA) e/ou de Prestação de Serviço à Comunidade (PSC).

Adicionar legenda
- Nossa abordagem inicial é no sentido de fazer o acolhimento desse jovem, explicamos como acontecerá o processo dessa medida, e já num segundo atendimento começamos a traçar um planejamento de reinserção social, seja fazendo encaminhamento para o mercado de trabalho ou para escola já que muitos estão fora do sistema educacional. Levamos sempre em conta as demandas que o jovem traz e suas potencialidades - explicou Leandro.
 A maioria dos adolescentes que chegam ao Programa de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto tem, em média, entre 14 e 16 anos, são do sexo masculino, negros ou pardos e em situação de rua. Em geral, são atraídos pelo tráfico de drogas ainda na infância.
 Para a psicóloga Marcela Almeida de Brito, esses jovens são vítimas de desestruturação social e familiar, além da cultura de violência imposta pelo tráfico de droga:
 - Não podemos negar o poder do tráfico na vida desses adolescentes. Na realidade, estamos falando de crianças que não tiveram infância, que já crescem em meio à cultura da violência, além da ganância pelo dinheiro fácil. Tudo isso mexe, claro, com seus valores. O nosso trabalho é reestruturar os valores desses adolescentes.

Alguns jovens permanecem no programa após completar a maioridade dependendo da pena fixada pela justiça. É o caso de Rafael dos Santos Barroso que cumpriu a medida socioeducativa por três anos após ter cometido um único ato infracional, aos 16 anos. Durante esse processo, que teve o acompanhamento tanto pela LA como da PSC, ele trabalhou na parte administrativa do CREAS Maria Lina de Castro Lima. Hoje, aos 21 anos, já está reintegrado à sociedade.
-O período que eu passei aqui foi muito importante para mim. Fiz curso de Informática, me formei em Bombeiro Civil, tirei minha carteira de motorista - afirmou Rafael, que lembrou que bem diferente do tempo em que cometeu se ato infracional, hoje tem outra relação com a família:
 - Naquela época eu só pensava em ter roupas novas. Eu via as pessoas com carro novo e queria ter aquele carro. Quando eu era jovem não ouvia pai e mãe, só fazia besteira. Mas hoje em dia eu quero estudar, me formar em Direito, trabalhar e ajudar minha família. Minha família é tudo para mim - contou Rafael que já pensa em casar e ter filhos.
 - Aos meus filhos, vou dizer que fiz coisas erradas, corri risco de morrer, mas, pela graça de Deus, fui preso (apreendido) e lá eu ergui a cabeça e vi que aquilo não era bom para mim. Tive a oportunidade de refazer a minha história - disse ele.
 Exemplos como o de Rafael colaboraram para ressocialização de jovens. Roberto Pinto da Costa, 18 anos, ainda está no processo de reintegração social promovido pelo programa. Ele cumpre a medida em Liberdade Assistida.

 - Naquela época eu só fazia besteira, passava vários dias fora de casa. Hoje o que eu mais quero é arrumar um trabalho, ajudar minha família (irmão) e ser feliz - disse Roberto, que perdeu seus pais ainda na infância e, muitas vezes, vivia em situação de rua.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hospital Barata Ribeiro tem setor de odontologia para pessoas com necedades especiais

Quem tem um familiar com deficiência mental ou neurológica grave sabe bem como é importante ter um atendimento médico que respeite as limitações inerentes à deficiência desse indivíduo. No campo da odontologia, na cidade do Rio de Janeiro, essas pessoas encontram no Hospital Barata Ribeiro, um setor especializado, com um serviço que existe há 20 anos. Por dia, são atendidos cerca de 25 pacientes com deficiências graves, como por exemplo paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, entre outras.
A doutora Andrea Vecchiate chefia uma equipe especializada no tratamento dentário em pacientes com problemas neurológicos e psiquiátricos, que conta também com uma técnica de saúde bucal e quatro dentistas, sendo dois no ambulatório e dois no centro cirúrgico. As consultas são realizadas no ambulatório, nos procedimentos mais rotineiros e simples, ou no centro cirúrgico, com o auxílio de sedação, em casos extremos. Ela explica que um dos fatores mais importantes é o atendimento preventivo rea…

A temática ética no contexto da educação inclusiva

‘Há como se conceber uma sociedade ética sem se preocupar com a inclusão’ ?A temática do debate da pessoa com deficiência na sociedade brasileira nem sempre é vista na sua complexidade: como algo que perpassar, ou deveria , passar pelo aprofundamento ético e moral da sociedade. Me parece importante se pensar a inclusão das pessoas com deficiência como um processo “humano”, cujo não deve se ater ao espaço da experiência sociológica da escola inclusiva, apesar da relevância desse espaço, como “provocador dessa inclusão” de modo a sermos capazes de, no futuro, conceber uma ética inclusiva o assunto da inclusão não deve ser visto como um processo que começa, nem tão pouco, que se conclua no ambiente da escola. O processo do sujeito com deficiência no contexto da educação e na sociedade brasileira deve pertencer a toda a sociedade que tem que tomar para si o dever ético de promover a inclusão de todos os indivíduos. Este compromisso com o processo de inserção das pessoas com deficiências …

3º Simpósio dá show de inclusão na Lona de Guadalupe

Aconteceu na manhã dessa sexta-feira(27) o 3º Simpósio de cultura Inclusiva na Lona Cultural Municipal Terra, em Guadalupe. O evento mostrou o talento das pessoas com deficiência, com apresentações da dupla Juripoca e neném , integrantes do projeto palaçadaria e a participação  do capoeirista  Tiao Gabriel. A programação contou com a fala do jornalista e autor  Fabio Fernandes que ressaltou a importância da expressão cultural no processo inclusão das pessoas com deficiência . ‘Criar ferramentas para que a pessoa com deficiência se expresse, no cenário cultural, é possibilitar que essa pessoa exista de forma efetiva no seu núcleo social’. Disse Fabio Fernandes.
O Simpósio de cultura Inclusiva é um evento da Associação Objetivo de Deficiente  que acontece desde 2013 e nessa terceira edição contamos com a parceria da Associação Balaio cultural e o projeto ‘Artes do suburbano‘ , vencedor do premio de ações locais, da secretaria municipal de cultura . a programação com uma bela roda de cap…