Pular para o conteúdo principal

Centro de referência promove reabilitação e inserção social de pessoas com deficiência


Espaço conta com atendimento terapêutico e atividades de arte e esportes adaptados

Imagem : Pedro Cure
 Promover o desenvolvimento global de pessoas com deficiência é o objetivo do Centro de Referência da Pessoa com Deficiência (CRPD) que funciona desde maio em Irajá. Atualmente, no espaço são atendidas cerca de 300 pessoas, de todas as idades e com diferentes tipos de deficiência. Os frequentadores contam com atendimento terapêutico e atividades de arte e esportes adaptados, que visam, além da reabilitação, a melhoria da qualidade de vida e a inserção social desse indivíduo. Fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia, são algumas das especialidades oferecidas pelo centro, além de atividades complementares, tais como oficinas de teatro, dança e esportes. Esse trabalho vem transformando a realidade de centenas de pessoas com deficiência e suas famílias.

O CRPD de Irajá conta com a supervisão técnica da fonoaudióloga Cristina Maurity, da psicóloga Valeria Novello e da terapeuta ocupacional Lia Rodrigues. Elas explicam que parte dos usuários do centro são alunos das escolas municipais. Segundo Valeria, uma equipe de terapeutas da unidade vai até as escolas das redondezas para checar quais são as demandas dos alunos com deficiência e como a equipe do centro pode auxiliar aquela criança e sua família.

- Através de uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação, nossa equipe visita as escolas e faz um cadastro dos alunos com algum tipo de deficiência para conhecer as demandas desses alunos. A partir do momento que as demandas são trazidas para o centro de referência, buscamos oferecer nossos serviços, disse Valeria.

Ela esclarece ainda que apesar de um grande número de usuários da unidade ser oriundo desse cadastramento feito nas escolas, as pessoas com deficiência que não estiverem em idade escolar também podem participar das atividades oferecidas pelo CRPD de Irajá. Nesse caso a inscrição pode ser feita na própria unidade.

- As pessoas que se inscrevem aqui, passam por uma triagem no nosso núcleo de atenção à família, onde analisamos se as necessidades daquela pessoa se enquadram nos serviços prestados pelo centro, e como ela poderá se beneficiar com as atividades realizadas aqui, explicou Valeria.

O menino Jorge Alves de Souza, de 11 anos, é uma das centenas de pessoas atendidas no CRPD, em Irajá. A mãe dele, Patrícia Alves de Souza, conta que o centro de referência tem sido fundamental para o desenvolvimento do filho que tem paralisia cerebral.

- O centro hoje é a segunda família na vida do Jorginho, o trabalho de toda equipe tem sido muito importante para sua autoestima, para a vida do meu filho. A integração aqui é muito boa, o aprendizado que ele tem aqui é para viver o mundo lá fora. É fabuloso, disse ela.

Para Patrícia, o diferencial do atendimento do centro é o afeto e o carinho dos profissionais. Ela lembra que o filho já tinha feito tratamento em outros locais, mas a relação de carinho que ele conseguiu ter no centro é algo que faz muito bem a ele.

- O Jorginho está aqui desde maio, hoje ele faz fisioterapia, e adora o basquete. Ele também tem atendimento com a psicóloga, faz oficina de alfabetização e terapia ocupacional. Antigamente, vínhamos as segundas e as quartas, mas o Jorginho gostou tanto daqui que me pediu para inscrevê-lo na oficina de teatro. Com isso, a gente passou a vir às terças também. Uma coisa que me impressionou é que o Jorginho já estava cansado nos outros tratamentos que ele fazia, era eu que o forçava a ir. Mas, aqui é ele que pede para vir, e vem alegre, salientou Patrícia.

O Centro de Referencia da Pessoa com Deficiência de Irajá fica Av. Monsenhor Félix, 512. Os interessados podem se inscrever de segunda-feira a sexta, a partir das 8h, na própria unidade. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3391- 99374.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hospital Barata Ribeiro tem setor de odontologia para pessoas com necedades especiais

Quem tem um familiar com deficiência mental ou neurológica grave sabe bem como é importante ter um atendimento médico que respeite as limitações inerentes à deficiência desse indivíduo. No campo da odontologia, na cidade do Rio de Janeiro, essas pessoas encontram no Hospital Barata Ribeiro, um setor especializado, com um serviço que existe há 20 anos. Por dia, são atendidos cerca de 25 pacientes com deficiências graves, como por exemplo paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, entre outras.
A doutora Andrea Vecchiate chefia uma equipe especializada no tratamento dentário em pacientes com problemas neurológicos e psiquiátricos, que conta também com uma técnica de saúde bucal e quatro dentistas, sendo dois no ambulatório e dois no centro cirúrgico. As consultas são realizadas no ambulatório, nos procedimentos mais rotineiros e simples, ou no centro cirúrgico, com o auxílio de sedação, em casos extremos. Ela explica que um dos fatores mais importantes é o atendimento preventivo rea…

A temática ética no contexto da educação inclusiva

‘Há como se conceber uma sociedade ética sem se preocupar com a inclusão’ ?A temática do debate da pessoa com deficiência na sociedade brasileira nem sempre é vista na sua complexidade: como algo que perpassar, ou deveria , passar pelo aprofundamento ético e moral da sociedade. Me parece importante se pensar a inclusão das pessoas com deficiência como um processo “humano”, cujo não deve se ater ao espaço da experiência sociológica da escola inclusiva, apesar da relevância desse espaço, como “provocador dessa inclusão” de modo a sermos capazes de, no futuro, conceber uma ética inclusiva o assunto da inclusão não deve ser visto como um processo que começa, nem tão pouco, que se conclua no ambiente da escola. O processo do sujeito com deficiência no contexto da educação e na sociedade brasileira deve pertencer a toda a sociedade que tem que tomar para si o dever ético de promover a inclusão de todos os indivíduos. Este compromisso com o processo de inserção das pessoas com deficiências …

3º Simpósio dá show de inclusão na Lona de Guadalupe

Aconteceu na manhã dessa sexta-feira(27) o 3º Simpósio de cultura Inclusiva na Lona Cultural Municipal Terra, em Guadalupe. O evento mostrou o talento das pessoas com deficiência, com apresentações da dupla Juripoca e neném , integrantes do projeto palaçadaria e a participação  do capoeirista  Tiao Gabriel. A programação contou com a fala do jornalista e autor  Fabio Fernandes que ressaltou a importância da expressão cultural no processo inclusão das pessoas com deficiência . ‘Criar ferramentas para que a pessoa com deficiência se expresse, no cenário cultural, é possibilitar que essa pessoa exista de forma efetiva no seu núcleo social’. Disse Fabio Fernandes.
O Simpósio de cultura Inclusiva é um evento da Associação Objetivo de Deficiente  que acontece desde 2013 e nessa terceira edição contamos com a parceria da Associação Balaio cultural e o projeto ‘Artes do suburbano‘ , vencedor do premio de ações locais, da secretaria municipal de cultura . a programação com uma bela roda de cap…