Pular para o conteúdo principal

Central carioca de Libras ajuda pessoas surdas vencer a barreira da comunicação

Imagine viver em um país ou ambiente onde ninguém , ou pouquíssimas pessoas compreender a sua língua . Pois essa é a realidade de seis milhões de brasileiros que são surdos e tem na Lingua Brasileira de Sinais, a Libras, o único modo de comunicação e de interação com o mundo. No entanto, a Libras ainda é totalmente desconhecida por grande parte da população brasileira. A falta de conhecimento da Libras faz com que esses brasileiros enfrentem cotidianamente diversas situações de preconceito e exclusão.  é um programa da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência que visa auxiliar a comunicação das pessoas surdas em diversas situações . a central atua mediando a comunicação dessa pessoa surda seja quando ela precisa ser atendida num serviço publico , ser ouvida num processo judicial, numa consulta medica e em muitas outras situações em que essas pessoas necessite de ajuda de um interprete
O programa vem funcionando desde 2010  e mensalmente atende a cerca de 300 usuários com as mais variadas demandas. Para isso, a Central Carioca de interpretes de Libras conta com uma equipe de cinco interpretes que fazem o atendimento de segunda a sexta-feira, no Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência.  (Ciad) Viviane Pinheiro , coordenadora do programa  explica que uma das funções da equipe de interpretes acaba fazendo uma interface entre a pessoa surda e os diversos serviços da prefeitura.
‘A Central Carioca de interpretes de Libras é um serviço da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência , que garanti a acessibilidade do publico surdo em diversa áreas: seja numa consulta medica, consulta no campo jurídico , mediação de conversas, intervenção no sentido de acompanhar essa pessoa surda a delegacia, caso ela precise ser ouvida, solicitação do riocard e em muitas outras situações em que esse individuo precise da nossa ajuda.’ Relatou ela.
Viviane disse ainda que além do atendimento Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência, no centro , a equipe A Central Carioca de interpretes de Libras está presente também nos cinco Centros Municipais de Referência da Pessoa com Deficiência, unidades da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência tem nos bairros de Vila Isabel , Campo Grande, Santa Cruz, São Conrado e Irajá,  ela relata que nessas unidades o trabalho do interprete de Libras é promover a interação das crianças e jovens surdos  , que por ventura  tem outra deficiência ou necessidades especiais, nas atividades terapêuticas, culturais e de esportes que são desenvolvidas nesses centros. 
‘Em cada centro temos um ou dois interpretes  que vai intermediar a comunicação desse surdo, que além da surdez tem outras deficiência  ou necessidade especial , nas diversas atividades de reabilitação que existem nos nossos centros de referencia. A gente tem crianças e jovens surdos que apresentam problemas motor, paralisia cerebral, baixa visão, com dificuldade de aprendizagem , ou que necessite de um atendimento psicológico. Essa pessoa passa por uma avaliação que quais são as atividades essa pessoas poderá fazer e a partir disso o interprete Libras  vai facilitar a comunicação dessa pessoas surdas nessas atividades.

A pedagoga Viviane Pinheiro teve sua formação acadêmica voltada para a questão da pessoa surda na sociedade. Ela que, desde 2010 coordena a Central Carioca de interpretes de Libras , ressalta que quando se pensa numa reabilitação para a pessoa com surdez se prioriza a aceitação desse individuo surdo em seu meio social, em detrimento de uma  visão antiga e equivocada em que buscava a moralização dessa pessoa. O que se mostrou inócuo ao longo do tempo. 
‘Quando a gente fala em reabilitação da pessoa surda , não se está visando 'forçar' uma oralidade que, de antemão, a gente já sabe que essa pessoa não irá desenvolver. Quando falamos de reabilitação o que pretendemos é melhorar a socialização dessa pessoa ou melhorar o aspecto motor, caso ele tenha alguma deficiência nesse campo, ou psicológico. A gente visa promover a inclusão desse individuo surdo na comunidade em ele vive. Destaca ela.
 O jovem casal Mariana Pires Gomes da Silva  Rafael Monteiro, ambos surdos são usurários da Central Carioca de interpretes de Libras , eles moram juntos na Rocinha. Conversei com Mariana e Rafael com a ajuda da interprete Vanessa Cristina Neves, pois, como grande parte da sociedade também desconheço a Língua Brasileira de Sinais. Mariana diz que esse desconhecimento é minimizado pela central , onde ela e Rafael vão procurar ajuda frequentemente .   
‘Ela sempre utiliza os serviços do Central Carioca de interpretes de Libras. Pois, segundo ela, um grande número de pessoas ouvintes desconhecem a Libras, isso faz com que ela e o marido tem muita dificuldade em se comunicar com as pessoas. Ai, quando ela precisa resolver qualquer problema, com o Riocard por exemplo , ela procura a central para que o intempere a auxilie na comunicação.’ Relata a jovem.
Mariana também ressalta a importando de se promover o ensino da Lingua brasileira de sinais entre a população ouvinte. Segundo ela, o conhecimento da Libras é de suma importância para que os surdos possam está , de fato , inserido na sociedade, o que como ela mesma diz está longe de ser a realidade.
‘A divulgação da libras é muito importante para nós, surdos. facilita muito a nossa comunicação na família, na escola , em fim. Mas, o que acontece normalmente é que as pessoas ouvinte acabam exigindo que nós façamos a oralização, mas se elas conhecessem a Libras, que é a nossa língua, essa comunicação seria muito mais ampliada. Conclui Mariana, com a ajuda da intérprete Vanessa.
Rafael que essa dificuldades que as pessoas surdas tem em encontrar pessoas que saiba Libras faz com que a pessoa surda tenha dificuldade de sem inserir, por exemplo no mercado de trabalho . ele lembra que em seu ultimo emprego, como  office boy,  apesar de algumas pessoas conseguir comunicar com ele , quando seus chefes queriam dá uma ordem a ele, tinham que telefonavam para a mãe do rapaz , para que ela transmitisse ao filho o que eles queriam.
‘Na ultima firma em que trabalhei, eu ate conseguia me comunicar com alguns colegas. Mas, tinha setores do 'RH', que quando tinha que me pedir para ir ao banco , ou fazer algum serviço na rua, eles tinham que ligar para minha mãe para que ela me falasse o que eles queriam.’ Relata Rafael.
A Central Carioca de interpretes de Libras funciona de segunda a sexta-feira, das 8h  às 17h, no Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência, Ciad Mestre Candeia , que fica na Avenida Presidente  Mais informações sobre o serviço podem ser obtida pelo telefone : 2224-1227, por SMS: 8909-1375, ou através do E-mail: centraldelibras@smpd.rio.rj.gov.br.

foto: Paula Johas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professor usa informática para promover inclusão de alunos com deficiência visual

Mais do que um professor de informática, Marcio Maciel é prova de que as limitações estão aí para serem superadas. Desde a infância com baixa visão, ele é o responsável pela Oficina de Informática para estudantes da rede municipal de ensino que apresentam algum tipo de deficiência visual. Promovida pelo Instituto Helena Antipoff (IHA), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Educação, a oficina tem a tarefa de fazer com que as ferramentas tecnológicas desenvolvidas para pessoas com deficiência visual sejam utilizadas para favorecer o processo de aprendizagem e de inclusão. O trabalho de Marcio, que há seis anos está à frente da oficina, divide-se entre as aulas que ministra para os alunos no Instituto e a capacitação de professores que trabalham nas salas de recursos. -  Com o tempo, a gente percebeu que muitos alunos não poderiam vir ao Instituto, como os que estudam em Campo Grande e Santa Cruz. Então começamos a ir até esses alunos através da capacitação do professor, levando o c…

Brasil começa paraolimpíadas em grande estilo

A penas nessa sexta-feira (8) , primeiro dia dos jogos paraolímpicos Rio 2016, a delegação brasileira subiu quatro vezes no pódio . A primeira medalha veio com Odair Santos, que garantiu a prata ao completar os 5000m T11 em 15min17s55, atrás do queniano Samwel Mushai Kimani, que fez 15min16s11. Pouco depois, Ricardo Costa ultrapassou o recordista mundial Lex Gillette (EUA) em seu último salto, alcançando 6m52 e conquistando o ouro numa prova emocionante, que agitou torcida presente do Estádio Olímpico do Engenhão.

Daniel Dias começou a aumentar sua coleção de medalhas no Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos. Até então, o nadador era dono de 15, sendo 10 de ouro, quatro de prata e uma de bronze, de edições anteriores de Jogos Paraolímpicos. A 11ª medalha dourada – e 16ª no total – veio nos 200m livre S5, numa prova que foi dominada por Daniel do início ao fim. O astro brasileiro das piscinas ainda vai disputar outras oito provas na competição, podendo chegar a impressionantes 24 pód…