Pular para o conteúdo principal

Professor usa informática para promover inclusão de alunos com deficiência visual


Mais do que um professor de informática, Marcio Maciel é prova de que as limitações estão aí para serem superadas. Desde a infância com baixa visão, ele é o responsável pela Oficina de Informática para estudantes da rede municipal de ensino que apresentam algum tipo de deficiência visual. Promovida pelo Instituto Helena Antipoff (IHA), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Educação, a oficina tem a tarefa de fazer com que as ferramentas tecnológicas desenvolvidas para pessoas com deficiência visual sejam utilizadas para favorecer o processo de aprendizagem e de inclusão. O trabalho de Marcio, que há seis anos está à frente da oficina, divide-se entre as aulas que ministra para os alunos no Instituto e a capacitação de professores que trabalham nas salas de recursos.
-  Com o tempo, a gente percebeu que muitos alunos não poderiam vir ao Instituto, como os que estudam em Campo Grande e Santa Cruz. Então começamos a ir até esses alunos através da capacitação do professor, levando o conhecimento da nossa oficina para que fosse multiplicado por toda rede – explicou Marcio, que desde os sete anos convive com uma doença chamada Retinose pigmentar.

As aulas têm como base o programa Dosvox, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro especialmente para pessoas com este tipo de deficiência. O programa pode ser baixado gratuitamente e funciona como uma espécie de leitor de texto, possibilitando à pessoa sem visão ouvir todo o conteúdo exibido.  
 A rede municipal de ensino conta atualmente com 464 de salas de recursos, que funcionam nas próprias escolas, atendendo às demandas dos alunos especiais. Além disso, muitos dos computadores das salas de leitura da rede já dispõem do sistema Dosvoz, o que facilita o acesso do aluno com deficiência visual ao conteúdo pedagógico.
- A Oficina de Informática atua também na elaboração de ferramentas que possibilitam ao estudante ter maior autonomia no ambiente escolar, como ampliar as imagens e as próprias questões da prova ou transcrever a prova para o sistema Dosvoz. Há também a opção do aluno com deficiência visual utilizar o sistema Braille, se preferir – comentou o professor.
 A aluna Renata Marques da Silva, 25 anos, da classe especial da Escola Municipal Gaspar Viana, em Vista Alegre, frequenta há dois anos a Oficina de Informática do Instituto Helena Antipoff. Para ela, que sonha frequentar uma turma de ensino regular, a tecnologia tem sido uma grande aliada no convencimento dos pais:

- Através do computador, eu consigo ler, jogar, entrar na internet, fazer várias coisas que antes eu não fazia. É muito bom. Quem tem o poder de decidir se a criança com deficiência frequentará uma classe especial ou regular é o responsável pelo aluno. À escola cabe a orientação pedagógica quanto à inclusão.
- Meu sonho é que um dia a gente consiga incluir todos os nossos alunos em classes regulares, dando a eles os recursos necessários para que eles possam vivenciar a inclusão – pontuou o professor.

 O Instituto Helena Antipoff fica na Rua Mata Machado, nº15, no Maracanã. Mais informações sobre as diversas atividades realizada no instituto, tanto para alunos com necessidade especiais como para educadores, podem ser obtidas através dos telefones 2027-1260 e 2204-2150.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hospital Barata Ribeiro tem setor de odontologia para pessoas com necedades especiais

Quem tem um familiar com deficiência mental ou neurológica grave sabe bem como é importante ter um atendimento médico que respeite as limitações inerentes à deficiência desse indivíduo. No campo da odontologia, na cidade do Rio de Janeiro, essas pessoas encontram no Hospital Barata Ribeiro, um setor especializado, com um serviço que existe há 20 anos. Por dia, são atendidos cerca de 25 pacientes com deficiências graves, como por exemplo paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, entre outras.
A doutora Andrea Vecchiate chefia uma equipe especializada no tratamento dentário em pacientes com problemas neurológicos e psiquiátricos, que conta também com uma técnica de saúde bucal e quatro dentistas, sendo dois no ambulatório e dois no centro cirúrgico. As consultas são realizadas no ambulatório, nos procedimentos mais rotineiros e simples, ou no centro cirúrgico, com o auxílio de sedação, em casos extremos. Ela explica que um dos fatores mais importantes é o atendimento preventivo rea…

A temática ética no contexto da educação inclusiva

‘Há como se conceber uma sociedade ética sem se preocupar com a inclusão’ ?A temática do debate da pessoa com deficiência na sociedade brasileira nem sempre é vista na sua complexidade: como algo que perpassar, ou deveria , passar pelo aprofundamento ético e moral da sociedade. Me parece importante se pensar a inclusão das pessoas com deficiência como um processo “humano”, cujo não deve se ater ao espaço da experiência sociológica da escola inclusiva, apesar da relevância desse espaço, como “provocador dessa inclusão” de modo a sermos capazes de, no futuro, conceber uma ética inclusiva o assunto da inclusão não deve ser visto como um processo que começa, nem tão pouco, que se conclua no ambiente da escola. O processo do sujeito com deficiência no contexto da educação e na sociedade brasileira deve pertencer a toda a sociedade que tem que tomar para si o dever ético de promover a inclusão de todos os indivíduos. Este compromisso com o processo de inserção das pessoas com deficiências …

3º Simpósio dá show de inclusão na Lona de Guadalupe

Aconteceu na manhã dessa sexta-feira(27) o 3º Simpósio de cultura Inclusiva na Lona Cultural Municipal Terra, em Guadalupe. O evento mostrou o talento das pessoas com deficiência, com apresentações da dupla Juripoca e neném , integrantes do projeto palaçadaria e a participação  do capoeirista  Tiao Gabriel. A programação contou com a fala do jornalista e autor  Fabio Fernandes que ressaltou a importância da expressão cultural no processo inclusão das pessoas com deficiência . ‘Criar ferramentas para que a pessoa com deficiência se expresse, no cenário cultural, é possibilitar que essa pessoa exista de forma efetiva no seu núcleo social’. Disse Fabio Fernandes.
O Simpósio de cultura Inclusiva é um evento da Associação Objetivo de Deficiente  que acontece desde 2013 e nessa terceira edição contamos com a parceria da Associação Balaio cultural e o projeto ‘Artes do suburbano‘ , vencedor do premio de ações locais, da secretaria municipal de cultura . a programação com uma bela roda de cap…