quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

SP – O instituto de arte do Brasil vai oferecer cursos gratuitos de capacitação profissional nas áreas de artes gráficas, cinema, circo, dança, fotografia, música, teatro, TV, rádio e projetos culturais para pessoas com deficiências. Serão oferecidas 20 vagas. A iniciativa faz parte do projeto ‘Sinal Verde Para a Inclusão" e tem apoio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED) da cidade de São Paulo. O foco do projeto é formar mão-de-obra qualificada, que possa ser absorvida pela indústria cultural .

Conforme apontam varias pesquisas um dos maiores entraves de inclusão das pessoas com deficiências no mercado de trabalho é a total ausência de programas voltados para qualificar essa pessoa para o universo produtivo, cenário que começa a ser mudado com ações como essa.

Nesse sentido a politica de cotas que, obriga as empresa e o Estado , a destinar vagas para esse segmento, acaba por forçar iniciativas como essas , em que todos saem ganhando. Entretanto , o que fica, além dos benefícios a curto e médio prazo , é a consciência que a sociedade começa a ter de que não dá para tratar da temática das pessoas com deficiência com a velha visão assistencialista que ainda hoje predominante entre a sociedade e as pessoas com deficiência.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Um decreto do Governo Federal criou uma linha de credito especial, com juros e taxas bancarias subsidiados em favor das adquirir equipamentos e recursos da chamada ‘tecnologia assistida’, equipamentos melhoram a qualidade de vida das pessoas com deficiências, Diminuindo assim, o foço da exclusão social desse segmento.

Os bancos serão informado sobre qual são os equipamentos que vao poder ser financiado com os subsídios oriundos desse programa que beneficiará pessoas com deficiência que tenham renda mensal de ate 10 (dez) salários mínimos. O limite do subsidio é de R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhões de reais) por ano que sairá do tesouro para facilitar a compra de equipamentos, recursos e adaptações que resultem em maior autonomia para essas pessoas.

Além do beneficio em si, essa medida merece destaque pela visão não assistencialista , ‘bobona’ que ela traz para a temática da cidadania das pessoas com deficiência . ou seja: não se trata de uma ‘doação’ daquelas cadeiras de rodas de quinta que, só serve para tapa o buraco na ineficiência do próprio estado , mas que esse cidadão , ou seus familiares, o produto que melhor atenda as necessidades dessa pessoa. De outro lado a medida fomenta a fabricação desses insumos e , quem sabe? Haja uma diminuição dos preços hoje cobrados em cadeiras de rodas , próteses etc . quem sabe o dono da Barão se manca?