Pular para o conteúdo principal

O Menino que Falava com os pés

Apresentação 

Apresentamos a proposta de patrocínio direcionado à produção do espetáculo teatral “O Menino que Falava com os pés”. A peça de autoria do jornalista e escritor Fabio Fernandes, que, desde 1998, vem promovendo o debate sobre a inclusão sócio educacional de alunos com necessidades especiais. Direcionado para o público infanto-juvenil e educadores.  A trama do espetáculo traz a história de ‘LEO’, um jovem com deficiência física (paralisia cerebral) no seu primeiro dia de aula em uma escola do ensino regular, após ter passado boa parte de sua vida numa classe especial. Esse é o ponto de partida da peça que debate a inserção escolar de crianças e jovens com deficiência.
A peça aborda, com profundidade, um assunto de grande relevância social e cultural tendo em vista que segundo dados do mais recente censo, publicado pelo Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE), 24 milhões de brasileiros apresentam algum tipo de deficiência. Além disso, as pessoas com necessidades especiais compõem um dos segmentos sociais que mais sofre situações de preconceito
Tendo como base este cenário social, a produção desse espetáculo torna-se relevante, tendo em vista o intuito dele de ser um instrumento de conscientização em relação ao reconhecimento da cidadania das pessoas com deficiência.
 saliento a importância que a apresentação dessa peça tem para a formação educacional e ética  do publico jovem, provocando uma maior sensibilização , não no publico jovem , mas de pessoas de todas as idades, para a temática da diversidade, em especial das pessoas com deficiências Tendo como base este cenário social, a produção desse espetáculo torna-se relevante, tendo em vista o intuito dele de ser um instrumento de conscientização em relação ao reconhecimento da cidadania das pessoas com deficiência.
 saliento a importância que a apresentação dessa peça tem para a formação educacional e ética  do publico jovem, provocando uma maior sensibilização , não no publico jovem , mas de pessoas de todas as idades, para a temática da diversidade, em especial das pessoas com deficiências..

sinópse  

Léo, portador de Paralisia Cerebral, enfrenta os obstáculos de seu primeiro dia de aula em uma escola normal. O inspetor Guido através de duas alunas, Ana e Clara, é levado a adentrar em uma das salas da escola e se depara com o Léo “largado” em sua cadeira de roda, todo agitado, esse já é um dos seus primeiros obstáculos a enfrentar. Sem falar na dificuldade em se relacionar com seus colegas de turma e professores.
Até que Ana e Clara começa um relacionamento de amizade e carinho, então descobre como ele se comunica, através dos pés, riscando as letras no chão, com o pé direito. Ana lê o que ele escreve e ensina a professora Patrícia que também o defende de vários preconceitos. O maior obstáculo é o professor Cláudio que não o quer na turma de nenhum modo.

proposta 

A proposta de execução desse projeto visa a remontagem do espetáculo teatral,
que em 2017 comemorará 19 anos, realizando 30 (trinta) apresentações em espaço culturais, como Lonas Culturais, Arenas e algumas escolas da Zona Oeste e Norte do Município do Rio de janeiro.
Ao término de cada apresentação da peça acontecerá debate / palestra, com o autor da peça, o jornalista e dramaturgo Fabio Fernandes, sobre a temática da cidadania das pessoas com deficiência, na sociedade brasileira. Também participará desses debates o elenco da peça.
 A proposta também prever que  uma compilação das apresentações do espetáculo e dos debates que acontecerão posteriormente a encenação  será disponibilizadas, em vídeo, na internet, no canal da Associação Objetivo de Deficiente, co-produtora do espetáculo, o que aumenta o alcance e a visibilidade desse projeto.
As vantagens destinadas aos investidores serão detalhadas no item ‘contrapartida,’ porém, ressaltamos que as marcas das empresas patrocinadoras desse projeto estarão presentes em todo o material de promoção da peça, incluindo os vídeos que estarão disponíveis na rede.
O público a que se destina este espetáculo é basicamente formado crianças e adolescentes, com  e sem  necessidades especiais. Toda via, a temática tratada pela peça é uma questão que perpassa o interesse de diversos segmentos da sociedade. com ênfase no professorado que lança mão da dramatização para refleti sobre a temática da inserção escolar de alunos com  necessidades especiais ,Percebe-se que apesar de podemos identificar o público-alvo de nossa peça teatral, a temática abordada penetrar o interessante de vários públicos. 
Nessa fase nosso projeto tem previsão beneficiar um publico estimado de 15.000 (quinze mil) pessoas, entre alunos, com e sem com necessidades especiais, das redes municipal e estadual de ensino, bem como a comunidade escolar: professores pais de alunos e publico em geral , oferecendo principalmente às escolas além da apresentação um debate falando sobre o tema entre alunos, elenco, professores e produção complementando a informação e divulgação com abordagem inclusiva

publico-alvo

O público a que se destina este espetáculo é basicamente formado crianças e adolescentes, com  e sem  necessidades especiais. Toda via, a temática tratada pela peça é uma questão que perpassa o interesse de diversos segmentos da sociedade. com ênfase no professorado que lança mão da dramatização para refleti sobre a temática da inserção escolar de alunos com  necessidades especiais ,Percebe-se que apesar de podemos identificar o público-alvo de nossa peça teatral, a temática abordada penetrar o interessante de vários públicos. 
Nessa fase nosso projeto tem previsão beneficiar um publico estimado de 15.000 (quinze mil) pessoas, entre alunos, com e sem com necessidades especiais, das redes municipal e estadual de ensino, bem como a comunidade escolar: professores pais de alunos e publico em geral , oferecendo principalmente às escolas além da apresentação um debate falando sobre o tema entre alunos, elenco, professores e produção complementando a informação e divulgação com abordagem inclusiva,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Central carioca de Libras ajuda pessoas surdas vencer a barreira da comunicação

Imagine viver em um país ou ambiente onde ninguém , ou pouquíssimas pessoas compreender a sua língua . Pois essa é a realidade de seis milhões de brasileiros que são surdos e tem na Lingua Brasileira de Sinais, a Libras, o único modo de comunicação e de interação com o mundo. No entanto, a Libras ainda é totalmente desconhecida por grande parte da população brasileira. A falta de conhecimento da Libras faz com que esses brasileiros enfrentem cotidianamente diversas situações de preconceito e exclusão.  é um programa da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência que visa auxiliar a comunicação das pessoas surdas em diversas situações . a central atua mediando a comunicação dessa pessoa surda seja quando ela precisa ser atendida num serviço publico , ser ouvida num processo judicial, numa consulta medica e em muitas outras situações em que essas pessoas necessite de ajuda de um interprete O programa vem funcionando desde 2010  e mensalmente atende a cerca de 300 usuários com as mai…

Professor usa informática para promover inclusão de alunos com deficiência visual

Mais do que um professor de informática, Marcio Maciel é prova de que as limitações estão aí para serem superadas. Desde a infância com baixa visão, ele é o responsável pela Oficina de Informática para estudantes da rede municipal de ensino que apresentam algum tipo de deficiência visual. Promovida pelo Instituto Helena Antipoff (IHA), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Educação, a oficina tem a tarefa de fazer com que as ferramentas tecnológicas desenvolvidas para pessoas com deficiência visual sejam utilizadas para favorecer o processo de aprendizagem e de inclusão. O trabalho de Marcio, que há seis anos está à frente da oficina, divide-se entre as aulas que ministra para os alunos no Instituto e a capacitação de professores que trabalham nas salas de recursos. -  Com o tempo, a gente percebeu que muitos alunos não poderiam vir ao Instituto, como os que estudam em Campo Grande e Santa Cruz. Então começamos a ir até esses alunos através da capacitação do professor, levando o c…

Brasil começa paraolimpíadas em grande estilo

A penas nessa sexta-feira (8) , primeiro dia dos jogos paraolímpicos Rio 2016, a delegação brasileira subiu quatro vezes no pódio . A primeira medalha veio com Odair Santos, que garantiu a prata ao completar os 5000m T11 em 15min17s55, atrás do queniano Samwel Mushai Kimani, que fez 15min16s11. Pouco depois, Ricardo Costa ultrapassou o recordista mundial Lex Gillette (EUA) em seu último salto, alcançando 6m52 e conquistando o ouro numa prova emocionante, que agitou torcida presente do Estádio Olímpico do Engenhão.

Daniel Dias começou a aumentar sua coleção de medalhas no Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos. Até então, o nadador era dono de 15, sendo 10 de ouro, quatro de prata e uma de bronze, de edições anteriores de Jogos Paraolímpicos. A 11ª medalha dourada – e 16ª no total – veio nos 200m livre S5, numa prova que foi dominada por Daniel do início ao fim. O astro brasileiro das piscinas ainda vai disputar outras oito provas na competição, podendo chegar a impressionantes 24 pód…