Pular para o conteúdo principal

Quadrilha de dona de plano de saúde nega atendimento a vitima de ELA

Deborah Mara Diniz, 51 anos, moradora de contagem município de Minas gerais, Deborah tem esclerose lateral amiotrófica conhecida como "ela" há mais de 2 anos. o doente de ela necessita de assistência medica permanente uma vez que a doença afeta todo sistema nervoso, como ate mesmo as funções vitais da pessoa. O estado de saúde de dona Deborah vem se agravando por falta de atendimento, ou seja , ação criminosa do plano de saúde ‘So saúde ‘ , ao qual ela é conveniada.

Segundo o relato de dona Deborah, desde 2010 o plano suspendeu do e qualquer atendimento retirando toda a equipe de home-care aparelhagens, a deixando sem nenhuma assistência. A família teve que mover uma ação contra a empresa de saúde complementar. Apesar do juiz já ter determinado a volta do atendimento e até hoje a decisão judicial não saiu do papel enquanto isso dona Debora sofre.

‘- A sonda não fechou está aberto, e apareceu do lado esquerdo do meu abdomen um caroço muito grande onde as dores são fortes o local onde estava a gastro por está infeccionado mina secreção purulenta e sangra o tempo todo. como o município não fornece a sonda própria e eu não tinha nem tenho recursos para compra-la pois seu custo de em torno de 1.500,00.’ Declara dona Deborah.

Melhor do que qualquer argumento meu a fala de Dona Deborah explicita o descaso com que , via de regra, os planos de saúde tratam a vida e a saúde de seus conveniados. Apesar do direito a vida já ter sido consagrado na constituição de 1988, e de ser do Estado o dever de garanti meios para que todas as pessoas tenham direito a saúde, parece que no caso das pessoas deficientes ou com doenças raras a regra é outra : ou são condenados á mortes na fila do Sistema Único de saúde , ou se torna refém dessas quadrilhas que assaltam e matam á mão armada .

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hospital Barata Ribeiro tem setor de odontologia para pessoas com necedades especiais

Quem tem um familiar com deficiência mental ou neurológica grave sabe bem como é importante ter um atendimento médico que respeite as limitações inerentes à deficiência desse indivíduo. No campo da odontologia, na cidade do Rio de Janeiro, essas pessoas encontram no Hospital Barata Ribeiro, um setor especializado, com um serviço que existe há 20 anos. Por dia, são atendidos cerca de 25 pacientes com deficiências graves, como por exemplo paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, entre outras.
A doutora Andrea Vecchiate chefia uma equipe especializada no tratamento dentário em pacientes com problemas neurológicos e psiquiátricos, que conta também com uma técnica de saúde bucal e quatro dentistas, sendo dois no ambulatório e dois no centro cirúrgico. As consultas são realizadas no ambulatório, nos procedimentos mais rotineiros e simples, ou no centro cirúrgico, com o auxílio de sedação, em casos extremos. Ela explica que um dos fatores mais importantes é o atendimento preventivo rea…

A temática ética no contexto da educação inclusiva

‘Há como se conceber uma sociedade ética sem se preocupar com a inclusão’ ?A temática do debate da pessoa com deficiência na sociedade brasileira nem sempre é vista na sua complexidade: como algo que perpassar, ou deveria , passar pelo aprofundamento ético e moral da sociedade. Me parece importante se pensar a inclusão das pessoas com deficiência como um processo “humano”, cujo não deve se ater ao espaço da experiência sociológica da escola inclusiva, apesar da relevância desse espaço, como “provocador dessa inclusão” de modo a sermos capazes de, no futuro, conceber uma ética inclusiva o assunto da inclusão não deve ser visto como um processo que começa, nem tão pouco, que se conclua no ambiente da escola. O processo do sujeito com deficiência no contexto da educação e na sociedade brasileira deve pertencer a toda a sociedade que tem que tomar para si o dever ético de promover a inclusão de todos os indivíduos. Este compromisso com o processo de inserção das pessoas com deficiências …

3º Simpósio dá show de inclusão na Lona de Guadalupe

Aconteceu na manhã dessa sexta-feira(27) o 3º Simpósio de cultura Inclusiva na Lona Cultural Municipal Terra, em Guadalupe. O evento mostrou o talento das pessoas com deficiência, com apresentações da dupla Juripoca e neném , integrantes do projeto palaçadaria e a participação  do capoeirista  Tiao Gabriel. A programação contou com a fala do jornalista e autor  Fabio Fernandes que ressaltou a importância da expressão cultural no processo inclusão das pessoas com deficiência . ‘Criar ferramentas para que a pessoa com deficiência se expresse, no cenário cultural, é possibilitar que essa pessoa exista de forma efetiva no seu núcleo social’. Disse Fabio Fernandes.
O Simpósio de cultura Inclusiva é um evento da Associação Objetivo de Deficiente  que acontece desde 2013 e nessa terceira edição contamos com a parceria da Associação Balaio cultural e o projeto ‘Artes do suburbano‘ , vencedor do premio de ações locais, da secretaria municipal de cultura . a programação com uma bela roda de cap…